Notícias

Concluída a negociação entre o Sinttel e a Teleperformance (assistida pelo Sinstal, entidade patronal que representa as empresas de teleatendimento), os trabalhadores são chamados a decidir quanto a aceitação ou não da proposta final fruto desse processo negocial para celebração dos instrumentos coletivos de trabalho para 2020/2021.

Considerando a determinação de isolamento social face à pandemia da corona vírus, neste ano a assembleia para coleta de votos será virtual, através da plataforma Microsoft Forms, que poderá ser acessada aqui exclusivamente na próxima quarta, dia 17/06/2020, das 11 às 16 horas. Analise com atenção a proposta e participe da votação:

a) Vigência do acordo: 2 anos, garantindo-se a implementação automática do piso salarial equivalente ao novo salário mínimo, em 1º de janeiro de 2021;
b) Garantia de nova negociação das cláusulas de caráter econômico em janeiro/2021;
c) Salários e benefícios: zero reajuste sob a contrapartida de um abono indenizatório os seguintes termos:
– Aos trabalhadores que recebem o piso salarial, o abono será de R$ 480,00, pagos proporcionalmente ao tempo trabalhado em 2019, em duas parcelas, sendo a primeira até 15/07/2020 e a segunda até 15/12/2020;
– Aos trabalhadores com salário acima do piso salarial, o abono será de 40,56% do salário em 31/12/2019, com um mínimo de R$ 480,00, pagos proporcionalmente ao tempo trabalhado em 2019, em duas parcelas, sendo a primeira até 15/07/2020 e a segunda até 15/12/2020.
– Não receberão o abono indenizatório os trabalhadores que exercem cargo de diretores, superintendentes, gerentes e coordenadores.
– Não receberão o abono indenizatório os trabalhadores que vierem a ser desligados da companhia antes dos pagamentos previstos para 15/07/2020 e 15/12/2020.

A proposta contempla ainda a negociação do PL/R, devendo a discussão sobre cada exercício ser iniciada em janeiro do ano subsequente (PLR/2020 com negociação a partir de janeiro/2021; PLR/2021, a partir de janeiro/2022)

Todas as demais cláusulas e condições do instrumento coletivo de trabalho anterior ficam mantidas.

TELEPERFORMANCE PROPÕE CELEBRAR ACORDO COLETIVO EMERGENCIAL EM PREVENÇÃO AO CORONAVIRUS

Enfim, a Teleperformance concordou em celebrar um acordo coletivo emergencial que determina medidas em prevenção ao coronavírus e manutenção dos empregos, tendo como base as Medidas Provisórias 927 e 936 editadas pelo governo Bolsonaro que, dentre outras questões, preveem a suspensão do contrato de trabalho, a redução de jornada e de salário, como também o trabalho em home office, além de banco de horas diferenciado, enquanto durar a pandemia.

Coube ao Sinttel nessa negociação preservar os direitos e benefícios dos trabalhadores (plano de saúde, vales alimentação, auxílio creche etc), como também condições para a manutenção dos empregos gerados no RN pela Teleperformance.

É preciso que os trabalhadores jamais esqueçam que essas medidas amargas foram determinadas pelo Governo Bolsonaro, através destas e de outras medidas provisórias. O governo permitiu que as empresas introduzam profundas alterações na relação de trabalho, independentemente do sindicato laboral. Infelizmente, ainda não há como fugir disso, enquanto perdurar a atual lógica desigual no mundo do trabalho.

URGENTE: DESCONTO NOS SALÁRIOS DE HORAS NEGATIVAS ACUMULADAS

Uma das grandes preocupações recentes dos trabalhadores na Teleperformance era a ameaça de terem descontados em seus salários as horas negativas acumuladas que, em razão da pandemia, não foram possíveis de serem compensadas. A negociação para celebração do acordo emergencial buscou cessar esses descontos, fazendo incidir sobre estas horas negativas acumuladas as mesmas condições de compensação em até 18 meses.

Os trabalhadores que sofreram descontos exorbitantes em função de horas negativas acumulados no atual banco de horas, devem informar à dirigente sindical Alessandra Cristina, através do whatsapp (84) 98895-9783: nome, matrícula, valor descontado referente as horas negativas e valor líquido recebido no último contracheque, pois a empresa se comprometeu em analisar caso a caso.

10 comentários para Fim da negociação com a Teleperformance, trabalhadores são chamados a decidir

  • Caio

    Essa proposta é uma vergonha! Uma empresa multinacional que explora os trabalhadores dessa maneira deveria ser fechada!

    Responder
  • Thayna Beatriz Silva Ribeiro

    NÃO CONCORDO COM AS POSIÇÕES QUE A TELEPERFOMANCE QUE IMPOR.

    Responder
  • Daniel

    Estamos no ápice da decandência dos direitos fundamentais, o setor de telemarketing continua com curva acentuada de crescimento de lucro, pois como servico essencial, não paramos de trabalhar, corremos o risco de não voltar para casa vivo, mas um sinal que somos apenas numeros, e se a vida já não valesse nada, os direitos basicos de reajustes estão sendo violados, bem como plr, continuamos sendo visto como escravos que não temos poder de descisão e somos ameacados de perder o emprego caso não aprovemos tal proposta, temos um sindicato omisso, estamos arriscando nossas vidas pela empresa, e o minimo, que é o pagamento do ajuste salarial está sendo cortado, salientamos ainda a vergonha que todo ano temos que negociar algo que deveria ser em janeiro e a empresa se omite e empurra com a barriga, vem suprimindo o plr desde 2015 e agora temos esse beneficio zerado, por isso obrigado sindicato e empresa por nos mostrar que a escravidão apenas mudou de nome.

    Responder
  • Pedro

    Engraçado, quem entrou a partir de janeiro não vai receber nada de um aumento referente a esse ano. Absurdo gente!

    Responder
  • Vanessa Lima

    Não

    Responder
  • Gabriel

    Se essa “proposta” passar, muita gente simplesmente não vai ter o básico pra sobreviver. É um crime uma proposta dessa.

    Responder
  • Nathalia Santos de Araújo

    Um cabaré essa porra de empresa que trata os funcionários como lixo

    Responder
  • Paulo Ricardo

    Para fechar a TelePerfomance é facil. Basta 30% dos funcionários pedirem demissão ao mesmo tempo. Sem falar que ao se demitir a empresa notará que realmente não aceitamos tais condições.
    Já não basta ter um salário a baixo do mínimo, ainda temos descontos absurdos em folha. A verdade é que vivemos de ticket alimentação e VT. Vergonha é ainda aceitarmos isto…

    Responder
  • Ladydayanny

    #todospelosim
    A TP cuidou e cuida de todos como uma família com as medidas de:
    Distribuição de máscaras;
    Atenção e vigilância ao distanciamento social;
    Contigencia de transporte para ambos os sites;
    Álcool gel, em.todas as áreas da empresa;
    Grupos de pessoas trabalhando em casa,sem que nenhum benefício seja retirado, inclusive auxílio creche e alimentação.

    E não foi diferente, na hora de pensar no acordo coletivo. Manter a empregabilidade, a saúde de todos e preservar a vida é o maior objetivo da TP. Portando toda a proposta foi feita pensando em, nossos empregos, o bem estar de nossas famílias e votar pelo sim significa hoje agradecer esta empresa que sempre acreditou e pensou em todos. E sim a TP está contratando mais pessoas e tornando possível o sonhos de muitas pessoas.

    Responder
  • Rosy Silva

    Uma verdadeira vergonha uma multinacional oferecer uma miséria de acordo desse para seus funcionários! E olha que o que está sendo oferecido é porque a TP é uma empresa que presa pelo bem dos funcionários e tem prioridade manter nossa saúde. Só quem é idiota e babão da empresa que não vê que a proposta feita só vai beneficiar a própria empresa e os funcionários que se virem. Somos apenas números e a TP nunca se importou com o bem-estar de ninguém ali dentro. A TP é uma vergonha!

    Responder

Deixe uma resposta

Comentário
Nome*
Email*
Website*