Notícias

Petroleiros em greve pela redução dos preços dos combustíveis e gás de cozinha. Greve de advertência de 72h começa a zero hora desta quarta. Petroleiros vêm fazendo assembleias e manifestações há dois meses por mudança na política de preços da Petrobras e o fim da privatização da empresa.

“Pela redução dos preços dos combustíveis e gás de cozinha; todos na rua neste dia 30”. Essa é a bandeira da greve dos petroleiros e petroleiras, que tem início a zero hora desta quarta-feira (30).

A paralisação de advertência de 72 horas, organizada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP-CUT), começou a ser organizada no início de abril deste ano, quando a Petrobras anunciou a venda de quatro refinarias.

Desde então, a categoria tem organizado atos, manifestações, audiências públicas e assembleias orientando os trabalhadores e trabalhadoras sobre a importância de defender a Petrobras e lutar pela redução dos preços da gasolina, do gás de cozinha e do diesel.

Para o coordenador Geral da FUP, José Maria Rangel, se a Petrobras utilizar o parque de refino existente e não vender as instalações para o capital internacional, o Brasil pode, sim, baratear os preços dos derivados de petróleo.

“Se venderem as refinarias e também os terminais, como estão ameaçando, aí sim, o brasileiro vai pagar mais caro pela gasolina, diesel e gás de cozinha, cujos preços dispararam desde meados do ano passado”.

Os petroleiros criticam a alteração na política de preços dos combustíveis, que passou a vigorar após o golpe de 2016 e a ascensão de Pedro Parente à presidência da Petrobras. Segundo eles, essa política atende apenas aos interesses do capital financeiro internacional, aumentando absurdamente os lucros e prejudicando o povo brasileiro.

“Essa é uma política nefasta, que encarece os preços da gasolina, diesel e gás de cozinha. O litro da gasolina já chega a R$ 5 em alguns estados e o gás de cozinha chega a R$ 120”, denuncia Rangel.

Segundo ele, a decisão da direção da Petrobras de diminuir a operação de refino em 70% da capacidade total da companhia, obrigou o Brasil a exportar óleo cru e importar petróleo refinado.

“Esses 30% de capacidade de refino ociosos em nossas refinarias seriam o suficiente para atender o país”, diz Rangel.

Além disso, diz o dirigente, a produção da Petrobras, a capacidade de refino da empresa e o que o país consome de petróleo são em quantidade parecida, ou seja, não há necessidade de importação.

“Nossa produção chega a 2 milhões e 200 mil barris, o mesmo que o consumo interno e a capacidade de refino, que também estão em torno de 2 milhões”.

Porém, continua Rangel, “a decisão do gestor atual de beneficiar grandes importadores, fez saltar de 50 para mais de 300 o número de importadoras que jogam derivados de petróleo no país, sem necessidade”.

Não precisamos importar. Temos todo petróleo para abastecer o país.

O coordenador da FUP diz, ainda, que “a Petrobras está comprando o barril de petróleo a 75 dólares, enquanto aqui com o pré-sal, extraímos o barril a US$ 35”.

Reivindicações

Para aprovar a greve, os petroleiros e petroleiras realizaram um extenso calendário de assembleias nas bases da Petrobras, nas plataformas, refinarias, terminais e usinas térmicas, entre abril e o dia 24 deste mês.

A pauta de reivindicações dos petroleiros inclui, além da mudança na política de preços da Petrobras; a suspensão da privatização da empresa e o cancelamento das vendas dos terminais e das refinarias Refap, em Canoas (RS); Repar,em Araucária (PR), Abreu Lima ,em Ipojuca (PE) e Rlam, em Candeias, na Bahia.

A pauta da categoria inclui o “Fora Parente”. Segundo os petroleiros, Pedro Parente, atual presidente da Petrobras, é o causador de dois apagões no país, o da energia elétrica em 2001, e o dos combustíveis, com a greve dos caminhoneiros.

“Ele não tem condições de gerenciar nossa empresa, a Petrobras é do estado brasileiro, e o povo brasileiro é o seu maior acionista. A Petrobras tem de beneficiar o povo e a gestão de Pedro Parente pagou R$ 137 bilhões em dívidas e juros para bancos internacionais. Esses números comprovam que a empresa não está quebrada como alega esse governo golpista”, diz Rangel.

Por tudo isso, os petroleiros pedem:

– Fora Parente

– Fora Temer

– A Petrobras é do Brasil

Deixe uma resposta

Comentário
Nome*
Email*
Website*